Ensaios Não Destrutivos

Algumas vezes, são necessárias análises de materiais em aspectos que vão além das dimensões (como composição ou estrutura interna do material), a fim de encontrar defeitos no material.

Porém essas análises são feitas frequentemente em produtos acabados ou produtos em estágios avançados de seus processos produtivos, situações nas quais não pode ser removido material para análise.

Nesses casos são realizados os chamados ensaios não destrutivos (ou END): testes feitos sobre a peça, acabada ou não, sem que haja alteração de suas características mecânicas ou químicas, a fim de não interferir em sua funcionalidade e em sua posterior utilização.

 

Principais tipos de ensaios não destrutivos usados na BIM

Inspeção Visual: tipo de END com mais simples e fácil execução. É um método utilizado principalmente para analisar a qualidade de soldas e componentes fundidos, detectando defeitos mais evidentes e perceptíveis a olho nu, como mordeduras, trincas macroscópicas, furos, deformações ou outras não conformidades.

Esse método consiste numa verificação visual da peça em questão, sendo executado por um inspetor treinado e experiente que procura por defeitos a olho nu ou com a ajuda de instrumentos ópticos como lupas, espelhos ou boroscópios.

Esse procedimento é o principal procedimento de inspeção para averiguação de juntas soldadas, podendo facilmente detectar defeitos que comprometeriam até mesmo soldas que sofrem menor tensão.

 

Líquido Penetrante: ensaio de fácil execução e fácil interpretação dos resultados, o que o torna um dos métodos mais efetivos na detecção de defeitos superficiais em peças, podendo indicar aberturas de até 0,001mm.

Esse método consiste em aplicar uma camada de um líquido específico, normalmente de cor rosa, sobre a peça a ser inspecionada, o que pode ser feito por pincel, aerossol ou até submergindo a peça no líquido. Após esperar algumas horas, enquanto o líquido age e penetra em quaisquer aberturas superficiais na peça, a peça é lavada. Depois da lavagem, é aplicado um revelador que, no caso da existência de aberturas, puxa para a superfície o líquido que havia previamente penetrado nestas, evidenciando quaisquer não conformidades com pontos rosa.

O ensaio por líquido penetrante é, portanto, um dos métodos mais eficientes na detecção de defeitos superficiais, sendo usado em diversas ligas. É especialmente efetivo em metais não magnéticos, como alumínio, aços inoxidáveis austeníticos, vidros ou cerâmicas, devido a impossibilidade de testes baseados em magnetismo nesses materiais.

Entretanto o ensaio por líquido penetrante não tem a capacidade de detectar defeitos como trincas internas e também não é efetivo em materiais porosos ou com a superfície demasiadamente irregular. Nessas superfícies é difícil remover totalmente o excesso de líquido penetrante na superfície do material, o que pode mascarar a indicação dos defeitos.

 

– Ultrassom: ensaio utilizado para detectar falhas internas nas peças, como bolhas de gás em materiais fundidos, trincas internas, escória em juntas soldadas, entre outras não conformidades abaixo da superfície das peças, sendo principalmente usado em trabalhos de caldeiraria.

Este ensaio é realizado com um aparelho que emite e capta ondas ultrassônicas. Após serem emitidas, essas ondas ecoam por todo o material, sendo captadas novamente pelo aparelho que, através do padrão como essas ondas se deslocam, consegue estimar a estrutura interna e averiguar a presença de defeitos:

Assim como as ondas produzidas ao jogar uma pedra em uma piscina alteram seu rumo ao passar por algum objeto boiando nessa piscina, as ondas de ultrassom alteram seu rumo ao passar por alguma irregularidade no material. É captando essas ondas e analisando possíveis desvios, que aparelho usado para o ensaio de ultrassom pode detectar não conformidades.

Os resultados deste ensaio são indicados pelo aparelho e podem ser averiguados instantaneamente, ao contrário dos resultados de outros testes, como o líquido penetrante, que demora algumas horas para penetrar em quaisquer aberturas e poder ser removido. Além disso, não é necessário nenhum tipo de proteção pessoal ou precauções especiais de segurança, ao contrário de testes que envolvem o uso de raios-X, por exemplo.

Entretanto, para que sejam obtidos resultados confiáveis, é necessário que o ensaio seja realizado por um inspetor com grande treinamento prático e teórico, o que pode encarecer um pouco o procedimento.

 

– Estanqueidade: é um ensaio utilizado para averiguar a presença de vazamentos de líquidos ou gases em sistemas fechados que trabalham sobre pressão positiva ou sobre vácuo.

O teste consiste em selar a peça a ser averiguada e bombear para dentro dela um líquido, um gás ou aplicar sobre ela vácuo, até que a pressão interna atinja um determinado valor, normalmente a mesma pressão sobre a qual o equipamento trabalha (ou uma pressão ligeiramente mais intensa).

Uma vez aplicada a pressão, procura-se por vazamentos. No caso de uso de gases ou vácuo os vazamentos podem ser detectados com a ajuda de equipamentos especiais. Já nos casos em que se utiliza líquidos, os vazamentos podem ser detectados visualmente ou com o auxílio de contrastes.

Fale Conosco