Papel e Celulose

Papél e Celulose

Papel e Celulose

Já se imaginou viver sem papel? No Brasil e no mundo, é imprescindível o uso de papel, tanto no ambiente doméstico quanto nos ambientes empresarial e industrial.

Justamente por isso, a indústria de papel e celulose é um segmento que cresce em ritmo acelerado nos tempos recentes. Na ultima década, a produção brasileira de celulose praticamente dobrou e, no ano de 2008, o país alcançou a posição de quarto maior produtor de celulose do mundo, com uma produção de mais 12,5 mil toneladas de celulose neste ano.

 

O que é a celulose

A celulose, matéria prima do papel, é um polímero, ou seja, uma grande molécula constituída de incontáveis monômeros. Os monômeros, por sua vez, são moléculas menores que possuem a capacidade de se ligar umas com as outras, formado assim os polímeros.

O polímero da celulose é um dos principais componentes das células das plantas, portanto, é delas que é extraída a celulose.

No Brasil, as principais plantas das quais são extraídas a celulose são as árvores de pinho e de eucalipto, apesar de ser possível extrair celulose de outras plantas, como bambu, babaçu, cânhamo ou até mesmo do bagaço da cana-de-açúcar, sendo algumas destas plantas até mesmo mais produtivas do que a madeira.

Assim a indústria de papel e celulose se relaciona diretamente com a produção agrícola, no caso, com o plantio de árvores especialmente destinadas para a produção de papel.

 

Como é a sua produção da celulose

Para produzir a celulose, primeiramente a madeira é cortada e triturada em pequenas lascas para, em seguida, passar por um processo para separar a celulose dos demais componentes presentes na madeira. O principal deles é a lignina, substância que une as fibras de celulose umas às outras.

Para isso, as lascas podem ser submetidas a diversos tratamentos, sendo quatro deles os mais utilizados:

  • Processo mecânico, no qual a madeira é mergulhada em água fervente e batida;
  • Processo soda, no qual a madeira é submetida a uma solução a base de soda cáustica;
  • Processo ácido, no qual a madeira é submetida a uma solução a base de bissulfito de cálcio;
  • Processo Kraft, no qual a madeira é tratada numa solução a base de hidróxido de sódio e hidrossulfeto de sódio. Este é o processo mais utilizado pelas indústrias.

 

Separada a celulose dos outros componentes da madeira, obtêm-se uma pasta marrom de celulose, que em seguida passa por um processo de branqueamento e se transforma em uma pasta branca pronta para ser transformada em papel.

A pasta branca de celulose é enviada para as fabricas de papel ou para as seções das fábricas responsáveis por produzir papel (no caso das fábricas conjuntas de papel e celulose), e lá essa pasta é encaminhada para uma máquina que a seca, resultando numa grande folha de papel.

Essa folha passa então por processos de secagem com ar quente (que terminam de retirar toda a umidade do papel) e por rolos que prensam o papel, alisando-o.

Realizados estes processos, o papel já apresenta o mesmo estado que é utilizado corriqueiramente, entretanto, ao invés de folhas de tamanhos diversos, como utilizamos normalmente, ele ainda é uma grande folha contínua.

Essa folha é enrolada em bobinas (para facilitar o transporte) e essas bobinas são encaminhadas para setores onde será realizado o corte e o empacotamento do papel, finalizando o processo produtivo.

 

A Atuação da BRANIVA

A indústria de papel e celulose depende fortemente da indústria de usinagem e caldeiraria.

Por exemplo, para a produção de celulose, primeiro a madeira precisa ser triturada. Os triturados usados para isso são produzidos em empresas de caldeiraria, a exemplo da BRANIVA, que constantemente produz chapas-guia para máquinas utilizadas no processamento de troncos.

Além de ser produzido em caldeirarias, todo esse maquinário de processamento de madeira executa um trabalho altamente desgastante, e por isso, requer constante manutenção, necessitando periodicamente dos serviços das empresas de usinagem e caldeiraria.

As máquinas utilizadas nas fábricas de papel também são produzidas e mantidas por indústrias de usinagem e caldeiraria, desde os rolos e motores das esteiras transportadoras das grandes folhas de papel, até os eixos e mecanismos que enrolam as bobinas de papel.

A maioria do equipamento utilizado nas fábricas de papel é fabricada através de processos de usinagem e caldeiraria.