Naval Offshore

Naval E Offshore

No mundo moderno, uma das indústrias mais essenciais é a indústria naval. A movimentação de bens pelo planeta praticamente depende dessa indústria, já que cerca de 95% de todo o comércio mundial é realizado por via marítima ou por via fluvial.

Para a produção de cada navio, sonda de perfuração ou plataforma de petróleo é realizado um trabalho que pode durar anos, envolvendo milhares de trabalhadores direta e indiretamente e são movimentados grandes quantidades de recursos, sejam esses recursos financeiros ou em forma de matéria prima.

No inicio do ano de 2015 havia mais de 74 mil trabalhadores empregados em estaleiros no Brasil. Isso significa que a indústria naval contribui grandemente com a sociedade, através da geração empregos e movimentação de capital.

Graças à recente descoberta do pré-sal, a demanda por plataformas de petróleo, sondas de perfuração, navios petroleiros e navios de apoio aumentou na indústria offshore. Há uma demanda estimada de trinta novas plataformas até 2030.

Para a construção de cada navio ou plataforma, além de toneladas de materiais brutos, centenas de profissionais trabalhando diretamente e milhares indiretamente, também são necessário maquinário, que requer peças e manutenção constante para continuar operando.

Surge daí uma relação com a indústria de usinagem e caldeiraria, que fornece as peças desse maquinário utilizado na construção de plataformas ou navios. Além de, ocasionalmente, fornecer peças que serão utilizadas no funcionamento destes.

Existe uma relação direta da indústria offshore com a indústria de óleo e gás, especialmente no Brasil, já que cerca de 90% do petróleo produzido no Brasil vem de plataformas marítimas.

As maiores representantes da indústria offshore, as plataformas de extração e processamento de petróleo podem chegar a serem praticamente cidades flutuantes. Elas contam com todo o equipamento necessário para extrair petróleo, instalações necessárias para processá-lo, abrigam centenas de trabalhadores e possuem, ainda, alojamentos, refeitórios, cozinhas e toda a infraestrutura necessária para que todos os seus operários vivam lá por até meses de uma vez.

 

Plataformas de extração de petróleo

Existem diversos tipos de plataformas de extração de petróleo, mas no Brasil, são utilizados principalmente quatro tipos distintos: as plataformas fixas, as plataformas semissubmersíveis, as plataformas autoelevatórias e as FPSOs, ou unidades flutuantes de produção, armazenamento e transferência, do inglês Floating Production Storage and Offloading.

 

  • Plataformas fixas

Foram as primeiras a serem desenvolvidas e as que são utilizadas em maior quantidade. Elas são plataformas que se sustentam em uma imensa estrutura modular de aço que se estende até o fundo do oceano e lá é cravada com estacas.

Ela é extremamente estável, mas se torna inviável para profundidades superiores a 400 metros.

 

  • Plataformas semissubmersíveis

Essas plataformas têm a vantagem de poder operar em águas muito mais profundas, como o fundo do oceano a mais de 2000 metros. Elas consistem em uma plataforma de perfuração, processamento ou ambos, montada sobre colunas ligadas à um convés.

A plataforma é rebocada até o local de operação e então esse convés é parcialmente inundado, afundando o suficiente para atingir a profundidade necessária para sua operação. O objetivo é ficar pesado o suficiente para estabilizar a plataforma, mas leve o bastante para mantê-la flutuando.

Esse convés pode então ser ancorado ao fundo do mar, o que impede que a plataforma seja tirada de posição pelas correntes oceânicas. Ou ela pode ser mantida no lugar por sistemas de posicionamento dinâmico, que usam motores para impulsionar a plataforma na direção oposta ao arrasto sofrido devido à correnteza e mantê-la na mesma posição.

 

  • Plataformas autoelevatórias

São plataformas com grandes “pernas” metálicas que, após serem rebocadas até o local de perfuração, são abaixadas até o leito marítimo e se apoiam diretamente sobre ele, elevando a plataforma acima do nível do mar.

Esse tipo de plataforma só é usado em águas rasas, pois em águas com profundidades superiores a 150 metros seriam necessárias pernas inviavelmente grandes para sustentá-las.

 

Floating Production Storage and Offloading (FPSOs)

Também chamadas de unidades flutuantes de produção, armazenamento e transferência esses são grandes navios petroleiros equipados com o equipamento necessário para a extração de petróleo de depósitos já perfurados.

Eles podem operar em águas profundas ou ultraprofundas, com o leito oceânico a mais de 2000 metros do nível do mar. E, graças a sua mobilidade e capacidade de armazenamento, sua maior vantagem é a possibilidade de operar em poços distantes do litoral, onde a construção de oleodutos seria inviável.

Uma vez em posição, esses navios são ancorados ao fundo do oceano e após iniciada a extração de petróleo, sua produção é captada por navios de alívio, que transportam o petróleo para terminais.